Skip nav

CERN

Organização Europeia de Pesquisa Nuclear — CERN

Sobre o CERN

O CERN foi criado em 1953 e, de acordo com a Convenção assinada pelos Membros Fundadores, o objectivo principal desta organização científica foi a "promoção e a colaboração entre Países Europeus na área da investigação fundamental no domínio da Física da Altas Energias (FAE), de modo a permitir à Europa a liderança nesse domínio". Desde então, o CERN é o maior laboratório de física de partículas do mundo, localizado na região noroeste de Genebra, na fronteira Franco-Suíça.

O CERN é financiado por vinte Estados Membros: Alemanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Hungria, Itália, Noruega, Polónia, Portugal, Reino Unido, República Checa, República Eslovaca, Suécia e Suíça. Por sua vez, oito organizações internacionais e países possuem o estatuto de observador no Conselho do CERN: a União Europeia, Índia, Israel, Japão, Rússia, Turquia, UNESCO e Estados Unidos. Actualmente, é o local de trabalho diário para aproximadamente 2200 funcionários de várias culturas e nacionalidades a tempo inteiro, e ainda 8000 cientistas e engenheiros visitantes provenientes de todo o mundo.

No CERN são utilizados os maiores e mais complexos instrumentos científicos para criar as condições necessárias na detecção e estudo dos constituintes básicos da matéria e da antimatéria, que vão possibilitar a demonstração das teorias fundamentais da física de partículas, e a descoberta dos princípios elementares da criação do mundo como o conhecemos. Para gerar essas condições, o CERN construiu e opera um conjunto de aceleradores de partículas, entre os quais o maior acelerador de partículas do mundo, o LHC. O LHC acelera 2 feixes de partículas a altas energias, que irão colidir em 4 pontos dentro do acelerador, onde estão instalados detectores de partículas de dimensões colossais, para registar os resultados destas colisões. Da ciência dos materiais às tecnologias de informação, da supercondutividade à geodesia de precisão, a física de partículas exige níveis de qualidade extremos, fazendo do CERN um importante banco de ensaio para domínios variados de inovação tecnológica.

Participação Portuguesa

A adesão de Portugal ao CERN foi assinada no ano de 1985, com início a 1 de Janeiro de 1986. Como Estado-Membro, Portugal contribui anualmente para os custos anuais de operação da infra-estrutura (cerca de 1% do orçamento global da organização).

Durante as negociações com vista à adesão de Portugal, foi elaborado um Protocolo Administrativo que regula o apoio das autoridades portuguesas ao desenvolvimento da FAE e áreas análogas, nomeadamente através do financiamento de projectos de investigação geridos pela FCT. O benefício científico da participação nacional, tendo em atenção a participação da comunidade científica nacional da FAE nas actividades do CERN, é considerado excelente. Regista-se que em Portugal, em números, durante o ano de 2009, cerca de 66 investigadores estavam a participar nas experiências CMS e ATLAS, instaladas no LHC. Os investigadores em Portugal ligados ao CERN formam equipas no domínio da física de partículas e física nuclear, e representam várias entidades a nível nacional (o Laboratório de Instrumentação e Física Experimental de Partículas - LIP, a Universidade de Lisboa, o Instituto Tecnológico e Nuclear e a Universidade de Aveiro, entre outras). Ainda no âmbito do benefício científico, Portugal está envolvido no projecto Computing GRID através do LIP, que visa instalar e explorar a maior estrutura multinacional de computação distribuída jamais implementada até hoje. A participação destas equipas nacionais nas diversas experiências do CERN tem gerado centenas de publicações internacionais, apresentações em conferências internacionais e nacionais, e várias teses de mestrado e doutoramento. Aproximadamente outros 75 Portugueses (com formações em áreas diversas, como por exemplo, engenharia electrónica, electrotécnica, materiais e química, entre outras) têm contratos de trabalho permanentes em departamentos técnicos da organização.

Formação avançada de recursos humanos

Em setembro de 1996, Portugal e o CERN firmaram um protocolo de formação de recursos humanos, com o objectivo de promover a formação avançada de jovens licenciados portugueses, através de bolsas de estágio especializado que são atribuídas pela FCT. No âmbito deste protocolo, competiu à Agência de Inovação, até final de 2012, a implementação do programa de estágios, a selecção dos candidatos e o acompanhamento do trabalho desenvolvido pelos bolseiros.

Um novo protocolo foi assinado entre a FCT e o CERN, em dezembro de 2012, transitando para a FCT todas as anteriores competências relativas a este programa.

Os estágios, de duração mínima de um ano com possibilidade de renovação por mais um ano, são selecionados por domínios tecnológicos, dando especial atenção ao projeto, ao enquadramento pedagógico e à futura inserção dos bolseiros em empresas portuguesas orientadas à inovação.

O concurso abrirá em data a divulgar pela FCT, ainda em 2013, altura em que serão divulgadas as listas de oportunidades de formação e documentos para apresentação de candidaturas.

Mais informação sobre os estágios tecnológicos pode ser consultada nesta ligação.

Participação industrial

Para além do benefício científico e de formação avançada no seu país, como membros de pleno direito do CERN, todos os Estados Membros têm a possibilidade de obter o benefício industrial. Para esse efeito, em 2009 foram atribuídas à FCT as funções de Industrial Liaison Officer – ILO, a quem incumbe a identificação e promoção de empresas Portuguesas como potenciais fornecedores de bens e serviços junto do CERN.

O CERN é considerado um mercado tecnológico extremamente competitivo e exigente, entre os 20 Estados Membros que compõem a organização. Entre os fornecimentos de bens e serviços em áreas diversas como a (Metalomecânica e Mecânica de Precisão, Consultoria técnica e Controlo de Qualidade, Electrónica industrial, Energia e Engenharia de sistemas de Energia, Tecnologias de informação e comunicação - Software, entre outras), em 2010 o índice de retorno industrial posiciona Portugal na quarta posição (considerando o período 2007-2010) seguindo-se à França, na venda de serviços. Portugal ocupa a sexta posição (considerando o mesmo período) na venda de bens, posicionando-se assim na esfera dos Estados Membros com resultados positivos relativamente ao processo de fornecimento de bens e serviços para a organização.

Informação sobre a unidade de compras e serviços industriais do CERN para o fornecimento de bens e serviços está acessível através da sua página oficial. O processo de aquisição de bens e serviços está disponível para download com o seguinte desígnio: Procurement@CERN. Para qualquer dúvida ou esclarecimento sobre a ligação industrial entre Portugal e o CERN, contacte o Agente de Ligação Industrial.

Contactos

Agente de Ligação Industrial para CERN, ESO e ESRF (Gabinete de Ligação Industrial)

Emir Sirage
emir.sirage@fct.pt
(351) 21 391 15 30

Conselho

Embaixador junto da Missão Permanente de Portugal em Genebra
mission.portugal1@itu.ch
(41) 22 918 02 00
Gaspar Barreira
gaspar@lip.pt
(351) 21 797 38 80

Comité Financeiro

Maria José de Almeida
m.j.almeida@fct.pt
(351) 21 391 15 29

Ligações úteis