Skip nav

Inclusão e Literacia Digitais

Face ao crescente emprego das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) em todos os setores da sociedade, existe a necessidade cada vez mais urgente de que todos os seus cidadãos tenham acesso às TIC e competências digitais para as utilizar.

Dado que o fenómeno do digital abrange amplamente as sociedades, o Estado deve ter um papel impulsionador e de guia para proporcionar igualdade de oportunidades aos cidadãos e facultar uma abordagem harmonizada, inclusivamente em matéria de proteção, para tornar seguros os processos, os dados e a conexão entre as pessoas no mundo digital.

No entanto, o trabalho para a inclusão, acessibilidade e literacia digitais está longe de ser linear e estável. O rápido desenvolvimento das TIC exerce uma grande pressão sobre a tarefa de fomentar a sua apropriação e utilização crítica por toda a sociedade. As tecnologias evoluem constantemente, o trabalho torna-se precário, flexibiliza-se, as carreiras são fragmentadas. A exclusão digital está, muitas vezes, associada a várias causas. A formação e a atualização dos conhecimentos são fatores basilares da inclusão.

Neste contexto, a FCT desenvolve, desde 2012, um trabalho de análise e acompanhamento da Sociedade da Informação em Portugal, que culminou na formalização dum documento orientador para uma Estratégia Nacional para a Inclusão e Literacia Digitais (ENILD). Neste documento, apresentado publicamente em setembro de 2015, encontra-se delineado um amplo quadro de ações, com o objetivo de proporcionar a inclusão digital daqueles que estão excluídos e criar uma cultura que auxilie no desenvolvimento das competências digitais, necessárias para a cidadania no séc. XXI, por todos os cidadãos portugueses.

A FCT promove ainda ações de sensibilização e de capacitação dos cidadãos, em particular de crianças e jovens, para a adoção de estratégias positivas face ao uso das TIC e de utilização mais segura da Internet. As ações exploram a temática da Cidadania e Literacia Digital, abordando diversos assuntos como, por exemplo, os riscos decorrentes da navegação online e o modo de comunicação entre os utilizadores, recorrendo às TIC. Estas ações, bem como a criação de recursos sobre a Literacia Digital, contribuem para a promoção da confiança dos utilizadores e do reforço da utilização da Internet.