Saltar navegação

Notícias

05-07-2017

A Ciência, a Europa e o Mediterrâneo no Encontro Ciência 2017

Ciência 2017_dia 5

O último dia do Encontro Ciência 2017, 5 de julho, abriu com uma sessão plenária subordinada à temática "Ciência, a Europa e o Mediterrâneo”. 
 
Nas intervenções, a sessão contou com a participação do Comissário Europeu de Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas, do Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, do Presidente da Comissão Parlamentar de Educação e Ciência, Alexandre Quintanilha e dos deputados dos cincos partidos no parlamento representados nesta comissão.
 
O Ministro Manuel Heitor, na sua intervenção, fez referência a quatro mensagens críticas para o futuro, que se pretendiam como premissas para este Encontro: 1. Alinhar - para responder às missões e desafios do Plano Nacional de Ciência e Tecnologia; 2. - Abrir - a uma ciência aberta à comunidade, que dignifique o conhecimento como bem público; 3. - Reforçar - a comunidade científica, ao nível do emprego científico, das unidades e laboratórios associados; 4. - Diversificar - a comunidade científica e o sistema científico.
 

Ciência 2017 Comissário Carlos Moedas

O Comissário Carlos Moedas, por seu turno, apresentou algumas das conclusões do relatório LAB-FAB-APP, elaborado pelo grupo independente de alto nível, nomeado pelo comissário e coordenado por Pascal Lamy, que foi conhecido em Bruxelas esta segunda-feira (3 de julho). No LAB-FAB-APP é traçada uma visão e um conjunto de recomendações estratégicas, que têm como propósito potenciar o impacto da investigação e inovação da União Europeia no futuro, partindo da análise crítica da avaliação dos resultados do programa Horizonte 2020 para a construção de um programa pós-2020. O Comissário destacou, nesta sua intervenção, três recomendações contidas neste relatório: 1. o olhar para o todo e não para as partes; 2. o foco no cientista, que é o decisor e inovador; e 3. as missões, em que se liga a ciência ao cidadão em que se alinham todos os elementos da cadeia. 
 
Nas intervenções dos membros da Comissão Parlamentar de Educação e Ciência, o denominador comum foi a preocupação que todos manifestaram relativamente à produção de legislação no parlamento sobre a mais diversas matérias, que entendem que deverá ser cada vez mais fundamentada em estudos produzidos pela comunidade científica.
 
Após estas intervenções, a sessão prosseguiu com um painel técnico, em que participaram Vladimiro Miranda, do INESC-TEC da Universidade do Porto, com a comunicação Cooperação transmediterrânica e afirmação portuguesa com ênfase em Marrocos, e Mário Carvalho, do ICAAM da Universidade de Évora, com a comunicação Estratégias agronómicas para o aumento da produtividade da água de rega em ambiente Mediterrânico.
 
As intervenções finais da sessão couberam a Nart Dohjoka, do Science Diplomacy Program da Royal Scientific Society da Jordânia, e ao Ministro Manuel Heitor, que encerrou a sessão.

Arquivo de notícias ›