Skip nav

ESO

European Southern Observatory

Em Destaque

15.11.2019 - Está aberta a Chamada de Manifestação de Interesse para Bolsas de Estágios Tecnológicos no ESO até às 17h00 (hora de Lisboa) do dia 16 de dezembro de 2019.

Sobre a Organização Europeia para a Investigação Astronómica no Hemisfério Sul

O ESO foi constituído em 1962, com o objetivo de promover a cooperação Europeia no domínio da Astronomia e operação das maiores infraestruturas de telescópios terrestres, sendo hoje considerado o observatório mais produtivo do mundo.

O ESO é financiado pelos seguintes Estados Membros: Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Holanda, Irlanda, Itália, Polónia, Portugal, Reino Unido, República Checa, Suécia e Suíça, juntamente com o Chile como país anfitrião e a Austrália como parceiro estratégico. Atualmente é o local de trabalho para cerca de 700 pessoas, incluindo funcionários a tempo inteiro, cientistas e engenheiros de várias geografias e nacionalidades.

A sede do ESO (que inclui os centros científico, técnico e administrativo) está localizada em Garching, próximo de Munique, na Alemanha. O ESO Supernova, um grande centro de divulgação de astronomia, que inclui um planetário, também está localizado na sede. Os três observatórios do ESO estão em funcionamento no Chile, mais precisamente no deserto de Atacama. No observatório do Paranal, a 2600m de altitude, opera o Very Large Telescope, um conjunto de quatro telescópios, cada um com um espelho principal de 8,2 metros de diâmetro. O observatório em La Silla, a 2400m de altitude, alberga vários telescópios óticos com espelhos de diâmetros que vão até aos 3,6 metros. Em Chajnantor, a 5000m de altitude, localiza-se o telescópio APEX e o Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA), o maior projeto de astronomia terrestre com uma infra-estrutura revolucionária na astronomia mundial. Está em construção um novo telescópio óptico/infravermelho com um espelho primário de 39m de diâmetro, o European Extremely Large Telescope (E-ELT).

Participação Portuguesa

Em 10 de Julho de 1990, Portugal celebrou um Acordo de Cooperação com o ESO, através do qual era garantido o estatuto de observador, e se definia um processo de transição para que, no prazo de 10 anos, se pudesse aceder à condição de Estado Membro de pleno direito. Em 1999 Portugal solicitou a adesão como Estado Membro, tendo sido aprovado o acordo de adesão de Portugal em dezembro de 2000.

Como Estado Membro Portugal contribui anualmente para os custos anuais de operação da infraestrutura (cerca de 1.2% do orçamento global). A participação de Portugal no ESO tem possibilitado o acesso das equipas de investigação portuguesas a uma infraestrutura de observação da mais alta qualidade, e à participação científica nas áreas de Astronomia e Astrofísica, o que tem contribuído de uma forma decisiva para o crescimento da comunidade científica, nomeadamente doutorados e para a sua internacionalização.

Desde 1990, dezenas de investigadores portugueses têm obtido tempo de observação nos telescópios do ESO. Uma média de 1800 propostas para acesso a tempo de observação são submetidas anualmente por investigadores de todos os países. Em números, o tempo de observação por parte de investigadores nacionais está acima da percentagem de contribuição nacional.

De salientar ainda que em 2019, 4 Portugueses têm contratos de trabalho em departamentos técnicos da organização.

Formação avançada de recursos humanos

Em maio de 2001, Portugal e o ESO firmaram um protocolo de formação de recursos humanos, com o objetivo de promover a formação avançada de jovens licenciados portugueses, através de bolsas de estágio especializado que são atribuídas pela FCT. No âmbito deste protocolo, competiu à Agência de Inovação, até final de 2012, a implementação do programa de estágios, a seleção dos candidatos e o acompanhamento do trabalho desenvolvido pelos bolseiros.

Um novo protocolo foi assinado entre a FCT e o ESO em 2013, transitando para a FCT todas as anteriores competências relativas a este programa.

Os estágios, de duração mínima de um ano com possibilidade de renovação por mais um ano, são selecionados por domínios tecnológicos, dando especial atenção ao projeto, ao enquadramento pedagógico e à futura inserção dos bolseiros em empresas portuguesas orientadas à inovação.

Mais informação sobre os estágios tecnológicos pode ser consultada nesta ligação.

Participação industrial

Para além do benefício científico e de formação avançada no seu país, como membros de pleno direito do ESO, todos os Estados Membros têm a possibilidade de obter o benefício industrial, contribuindo para o aumento da competitividade e avanço tecnológico da sua indústria.

O ESO é considerado um mercado tecnológico extremamente competitivo e exigente, no universo dos 16 Estados Membros que compõem a organização.

Informação sobre o serviço de compras do ESO e processos associados está acessível através da página oficial. Para qualquer dúvida ou esclarecimento sobre a ligação industrial entre Portugal e o ESO, contacte o ILO.

Contactos

Conselho

Paulo J. V. Garcia
pgarcia@fe.up.pt
(351) 22 041 31 42

Comité Financeiro

Filipa Coelho
filipa.coelho@fct.pt
(351) 21 392 44 40

Industrial Liaison Officer (ILO)

José Antão
jose.antao@ani.pt
(351) 21 010 30 62

Ligações úteis