Saltar navegação

Notícias

13-08-2020

Investimento em I&D atinge 2.987 milhões de euros em 2019

Resultados provisórios do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional (IPCTN19) revelam que no ano passado se registou o maior investimento de sempre em Investigação e Desenvolvimento (I&D) em Portugal. A despesa total em atividades de I&D alcançou os 2.987 milhões de euros, mais 218 milhões de euros do que em 2018, representando 1,41% do Produto Interno Bruto (PIB). Trata-se do valor mais elevado desde sempre para o investimento em I&D em Portugal.

Este aumento do investimento é particularmente expressivo no sector das empresas, que cresceu 10% entre 2018 e 2019, representando 0,74% do PIB em 2019. Estes dados reforçam a tendência de crescimento empresarial de I&D, o que se reflete no crescimento do emprego qualificado nas empresas e no esforço do sector privado em acompanhar o desenvolvimento científico e a capacidade tecnológica instalada em Portugal.

O ensino superior também aumentou o seu investimento em I&D, crescendo cerca de 5% em 2019, atingindo também um novo máximo de 1.209 milhões de euros.

Outro elemento importante para a caracterização do sistema científico e tecnológico é o número de investigadores na população ativa, que também cresceu. Em 2019 há 10 investigadores por cada mil pessoas ativas enquanto que em 2018 eram 9,1 em cada mil ativos, em 2017 eram 8,6 e em 2016 eram 8.

No total, foram registados 50.431 investigadores em equivalente a tempo integral (ETI), mais 2.779 do que em 2018, o que reflete um crescimento de 11.759 investigadores ETI desde 2015, ou seja, um aumento de 30% nos últimos 4 anos. No Ensino Superior encontram-se 29.027 investigadores em ETI, representando 58% do total, enquanto as empresas incluem 19.283 investigadores em ETI, representando 38% do total. O número de investigadores nas empresas aumentou de 2.537 ETI, representado um aumento de 15% entre 2018 e 2019.

No sector do Estado (onde se incluem os Laboratórios do Estado) contabilizaram-se 1.591 alcançou investigadores em ETI no ano passado, sendo 3% do total.

O total de recursos humanos em atividades de investigação e desenvolvimento (investigadores, técnicos e outros profissionais) 12 pessoas (ETI) por cada mil habitantes ativos.

Os resultados provisórios do IPCTN19 são publicados pela Direção Geral de Estatísticas de Educação e Ciência (DGEEC) com base em metodologias harmonizadas internacionalmente pelo EUROSTAT e a OCDE.

graficorelatorio




 

 

 

 

 

 

 

  

Gráfico: fonte MCTES

Arquivo de notícias ›