Apoios

A FCT, de acordo com o seu mandato para apoiar a comunidade científica e técnica portuguesa, oferece apoios numa grande variedade de formatos destinados tanto a investigadores individuais, nas diferentes fases das suas carreiras, ou a grupos de investigadores ou a instituições. Se conhece o tipo de apoio em que está interessado escolha-o no menu do lado direito desta página. Caso contrário, ou se quiser ter uma perspectiva geral dos tipos de apoio disponíveis, agrupados segundo o estatuto dos investigadores ou grupos de investigadores para os quais estão disponíveis, continue a ler.

Para completar a descrição do conjunto de opções disponíveis esta página menciona programas sobre os quais a FCT não tem responsabilidade, nomeadamente do programa Ciência Viva e das Acções Marie Curie. De notar que, no caso destas últimas, a expressão europeu deve ser sempre interpretada como referente a um estado da União Europeia ou Associado.

Para uma descrição mais detalhada das oportunidades de apoio a nível europeu por favor veja a página da FCT dedicada às Acções Marie Curie. Inclui anúncios e pré-anúncios de Concursos, ligações a interfaces de busca, etc. Para algumas das Acções Marie Curie, como estímulo para uma maior participação, a FCT oferece apoio complementar.

Investigadora na UTAD
Luísa Ferreira / MCTES

Estudantes

Estudantes pré-universitários

Provavelmente o apoio para actividades de iniciação à investigação que está disponível para um jovem estudante através do Ministério da Ciência será canalizado pelo Programa Ciência Viva. Esta é uma agência governamental independente da FCT. Particularmente dignas de menção são as actividades Ciência nas Férias.

Estudantes universitários não graduados

Há dois tipos de bolsas dirigidas especialmente à integração em actividades de investigação de estudantes universitários não graduados: Bolsas de integração na investigação (BII) e Bolsas de iniciação científica (BIC). São atribuídas indirectamente pela FCT através de Unidades de I&D no caso das primeiras e através de Unidades ou Projectos de I&D no caso das segundas e estão dependentes de bons resultados académicos.

Estudantes universitários pós 1º ciclo

Os estudantes universitários que tenham terminado o 1º ciclo de estudos universitários ou equivalente têm acesso às Bolsas de investigação (BI) e às Bolsas de iniciação científica (BIC). Estas últimas estão condicionadas a bom desempenho escolar.

Estudantes de Mestrado

Em anos recentes assistiu-se a um declínio considerável do número de bolsas atribuídas especificamente para estudantes de Mestrado, tendência essa que parece acentuar-se em consequência da adaptação dos cursos universitários portugueses ao paradigma de Bolonha. O Concurso de Bolsas Individuais 2007 já não incluiu este tipo de bolsas.

Estudantes de Doutoramento

As bolsas para realização de estudos conducentes ao grau de Doutor são as mais solicitadas à FCT. Na sua maioria são Bolsas de Doutoramento (BD) atribuídas através do concurso de Bolsas Individuais anual. Outras modalidades incluem as Bolsas de Doutoramento em Empresas (BDE), as bolsas de Doutoramento no âmbito das parcerias internacionais com universidades como MIT, CMU e UTAustin, e Bolsas de Investigação (BI) concedidas no âmbito de Projectos de I&D e Unidades de I&D.

Os bolseiros recebem apoio para participações em reuniões científicas. Os não bolseiros podem solicitá-lo ao Fundo de Apoio à Comunidade Científica.

Teste de combustão no IST
Luísa Ferreira / MCTES

Estagiários

Estágios em organizações científicas internacionais

A FCT promove concursos para financiamento de Bolsas de Estágio em Organizações Científicas e Tecnológicas Internacionais (BEST) para formação de engenheiros no CERN, na ESA e no ESO. Mais informações em Estágios Tecnológicos no CERN, ESA e ESO.

Investigadores

Jovens pós-doutorados

Após o doutoramento a actividade de investigação muitas vezes inicia-se com uma Bolsas de Pós-Doutoramento (BPD) atribuída através do concurso de Bolsas Individuais anual ou concedidas no âmbito de Projectos de I&D e Unidades de I&D.

Os bolseiros recebem apoio para participações em reuniões científicas. Os não bolseiros podem solicitá-lo ao Fundo de Apoio à Comunidade Científica.

A nível europeu as Bolsas de Reintegração Marie Curie (Europeias ou Internacionais conforme respectivamente o candidato já usufruiu ou não de uma bolsa Marie Curie) são possibilidades a considerar pelos doutorados no estrangeiro.

O Programa Welcome II, cofinanciado sob a Acção Marie Curie Cofund, é dirigida à integração em Portugal de investigadores Europeus depois de trabalharem em Países Terceiros.

Emprego pós-doutoral

A FCT promove a integração de investigadores com doutoramento, idealmente com 3 anos de experiência de investigação, em posições de investigação de início de carreira através da iniciativa Ciência 2007. Os concursos de admissão são geralmente abertos por instituições pré-seleccionadas pela FCT e sob a sua supervisão. Os anúncios estão disponíveis no portal ERACareers.

Investigadores Doutorados

O programa de Cátedras Convidadas foi lançado em 2008 para atrair investigadores de alto nível internacional para Portugal.

A FCT administra Bolsas de Licença Sabática (BSAB) para apoio a investigação em instituições estrangeiras durante períodos de licença sabática.

Os investigadores europeus doutorados que desejem adquirir formação numa organização de alto nível num País Terceiro, e seguidamente regressar a uma organização europeia, podem candidatar-se, conjuntamente com esta última, a uma Bolsa Internacional de Saída das Acções Marie Curie. Para um efeito análogo, mas num país europeu, existem as Bolsas Intra-Europeias.

Investigadores não europeus

A nível europeu as Acções Marie Curie apoiam investigadores de nomeada que desejem trabalhar em projectos de investigação na Europa através de Bolsas Internacionais de Entrada.

Grupos de Investigadores

Robot IST
Luísa Ferreira / MCTES

Projectos

A FCT dá regularmente a oportunidade aos investigadores de submeterem candidaturas a projectos de investigação científica. Tal processa-se tanto em concursos abertos a todas as áreas científicas como através de concursos dirigidos a investigação orientada em certos domínios ou temas específicos. O último concurso para todas as áreas científicas esteve aberto de 28 de Novembro de 2008 a 6 de Fevereiro de 2009 estando prevista a sua avaliação para a Primavera/Verão de 2009.

Unidades de Investigação

As instituições de investigação não englobadas no estatuto de Laboratório Associado e que são financiadas através do sistema de financiamento plurianual pela FCT são designadas, em geral, como Unidades de Investigação.

Laboratórios Associados

As unidades de investigação que demonstrem, através dos resultados das avaliações, capacidade para cooperar, de forma estável, competente e eficaz, na prossecução de objectivos específicos de política científica e tecnológica do Governo podem adquirir o estatuto de Laboratório Associado. Existem, em Março de 2009, 25 Laboratórios Associados.

Laboratórios do Estado e Consórcios

A FCT tem vindo a participar em acções de Apoio à Reforma dos Laboratórios do Estado aí se enquadrando a recente iniciativa de criação de Consórcios.

Actividades Específicas

Através do Fundo de Apoio à Comunidade Científica (FACC) a FCT apoia actividades específicas de diversos tipos, em particular:

  • Organizações Científicas
  • Publicações Periódicas
  • Publicações Não Periódicas
  • Reuniões Científicas